A nossa própria arqueologia

A nossa própria arqueologia
O Lado Negro da Web completou 20 anos de existência e decidimos fazer um pouco de arqueologia online para relembrar os bons velhos tempos antes do Google, do Blogspot e do Facebook. Ao longo dos anos seguimos as nossas referências desde o alojamento no saudoso Terrávista até termos um site próprio.
Ao longo destes anos esperamos ter informado, divertido e sobretudo fazer pensar sobre a problemática da liberdade de informação e expressão, temas tão atuais na internet actual onde as fake-news e a contra-informação passaram das bordas para o mainstream enquanto a censura e manipulação de dados e informação por parte das grandes empresas e dos grandes países está desregulada. Sobretudo ficamos felizes por existir estes 20 anos e ter partilhado partes menos conhecidas da web, uma faceta tão democrática da Internet – de todos e para todos os gostos. E se gosta do que temos feito porque não deixar aqui um comentário? Muito obrigado!

Vão tomar conta da Internet!

Vão tomar conta da Internet!
A Internet tal como a conhecemos está ameaçada. Uma entidade que junta vários governos denominada
World Conference on International Telecommunications (WCIT) quer fazer tomar o controlo e a gestão da Internet, passando a rede a ser gerida por uma agência controlada pelos países poderosos do costume na ONU (EUA, Rússia e China) que nunca respeitaram critérios mínimos de direitos humano como a liberdade de expressão, o direito à privacidade etc. Para que este pesadelo não suceda faça sentir a sua indignação!

ACTA: A nova ameaça para a Internet

ACTA: A nova ameaça para a Internet
Esta organização Avaaz esta a levar a cabo uma petição expondo os perigos que que a nova legislação que a União Europeia quer implementar, denominada ACTA. Aqui pode assinar esta petição para tentar impedir que as grandes empresas e interesses privados possam policiar e censurar a Internet sobe o argumento que estão a combater a pirataria.

MafiaAfire

MafiaAfire
As novas leis de censura norte-americanas (SOPA) estão já a tentar bloquear alguns domínios ligados à partilha de ficheiros como o Pirate Bay. Em resposta este site propõe aos infortunados americanos que coloquem um addon ao seu browser que permite de imediato e de forma fácil acesso aos sites censurados através de proxys internacionais e seguros.

Censura Americana

Censura Americana
Estão a ser implementadas leis nos Estados Unidos que terão consequências bravíssimas para a Web. A Internet passara a ser censurada indiscriminadamente a pedido da indústria de Hollywood e das gravadoras de música. Esta terrível lei denominada SOPA poderá tirar do ar qualquer site e poderá destruir tudo o que a internet representa. Neste site poderá fazer ouvir a sua voz ao congresso americano antes que seja tarde demais.

Tor – o caminho para a deepweb

Tor – o caminho para a deepweb
Já falamos neste software em 2007, mas actualmente ele está em voga graças ao debate que surgiu sobre a chamada deepweb – ou em grosso modo o lado negro da internet.
No fundo este software permite um grau de privacidade elevado de uma forma fácil e eficaz e permite ter acesso a redes virtuais, domínios virtuais e servidores que estão vedados a quem não tiver este software. Embora o objectivo seja a privacidade e a divulgação de conteúdos censurados (como os dos dissidentes chineses), nesta rede abundam também os piores exemplos dos desvios da humanidade como a pornografia infantil. Lembre-se que isto é apenas software para o transportar. Aonde você quer ir é da sua responsabilidade.

Salvem a internet brasileira

Salvem a internet brasileira
O nefasto PL Azeredo, com o embuste de ajudar a luta contra os cibercrimes no Brasil, vai restringir substancialmente a liberdade e privacidade da Internet no Brasil. Para uma internet sem censuras assine este abaixo-assinado.

Danos colaterais

Danos colaterais
Na guerra do Iraque, o termo danos colaterais tornou-se demasiadamente vulgar, para denominar mortes de pessoas inocentes. Neste site está documentada em vídeo uma operação militar que se saldou por doze mortes de inocentes, incluído dois jornalistas da Reuters.