O Tube de Deus


O Tube de Deus
Os vídeos na Web estão a generalizar-se, e nada melhor que usar as novas tecnologias para a evangelização. Neste site tem acesso a inúmeros conteúdos em vídeo dedicados ao cristianismo e à bíblia.


1 opinião sobre “O Tube de Deus”

  1. Pause e pondere …(os conflitos, a superação, a determinação que precisamos).

    Bancos estão colocados como padarias na base da empreitada de domínio nazi-teo-pulhítico.

    “Péga! Péga! …”
    “O diabo rasgou a roupa dele!” …
    Temu qui ‘discirpliná’ essi moleque”.
    “Aqui é o termpru de Deuso, temu podê”.
    “Segura esse moleque!”
    Apavorado, e com toda a fúria que tinha, o molequim olhava desesperado, não tinha como escapar.
    E armou-se o palco dos desgraçados.
    O covarde-mor berrava. E atrás do púlpito pisava com o sapato na cara do garoto. Os desgraçados tomando conta do lado insuflavam a gritaria; a cara do garoto sangrava. “Escutem os gemidos …”. E amontoados, os desvairados gritavam ainda mais, feitos loucos. “O diabu num agüenta u podê ‘trermendu’ de Deursu”.
    E o moleque num ímpeto, encarando a dor, escapou.
    “Não olhem, não olhem pru diabo! … Clamem irmãos! Esse é u podê de nossa igreja!”
    (Arssembréia de Deurso, no mesmo “formato” dos batistas, das células, antros das escórias de canalhas que somos obrigado a ver e ouvir nas rádios e nas TVs).
    Qualquer um que consiga escapar disso tem chance de fazer prevalecer a vida.
    Vão pagar …

    Se há potencial entre os não-nascidos-para-a-crença que se apresente; pois esta leitura aqui não é de alçada para leitor de “bibra”, nem pra cegados por essa idiotice de socialismo.
    O mundo urge pelo Capitalismo Meritocrático (firmado por um Parlamento Republicano); mas não se vê saída para afastar a poluição de negra confusão que transformou a paraplégica democracia em senzala, num reino putrefacto de escravos vigiando produtores (com bandidos vigiando e tutelando a civilidade).
    Pra um homem jogar a caneta, a enxada, e o sapato, e desgostar do que contente proveria à Sociedade, e ver dias perdidos no que nunca precisaria dizer, com tanto que todos têm premência por fazer em nossa Civilização; pra um garoto ver o que tanto e tanto que trabalhou e correu pra dispor à muitos com contentamento o esmêro do que fez; e olhar tudo que foi declarado como de boa recomendação para a vida ser visto por todos como otarice; porque todos infectados pela hipocrisia da “moral” e “respeito” e “ética” avêssas a tudo que aprendeu; e ter que enfiar pela goela a musiquinha bem ao gosto estragado dos calhordas “quem espera que a vida seja feita de ilusão”; e ver o endôsso dos imbecis que nada vêem (manipulados por tudo que é lado), envoltos numa insana guerra entre “espertos”, subservientes a pulhas “protetores”, como mega-idiotas que clamam euforicamente para serem enganados; isso faz a semente humana de valor opinar por cessar a continuidade disso.
    Então …
    Os pústulas estão a trançar desastres para nossa vida (e já por muitos e muitos anos), e estúpidos que os abonam nem se atêm que não temos mais climaticamente tantos anos (e os parasitas não se importam, e continuam, e continuam); e todos os “rebanhos” de bucéfalos não se dão conta de todo seu tempo de vida desperdiçado, enganado, tomado pelo infecto glaucoma divino “que tudo vê” (isso desde lá quando começaram a desgraçar nossos ancestrais, e vai no tempo).
    A Natureza levou milhões de anos para fazer peles lindas, de seda, como vemos em já não muitos de nós aí. E os escroques por causa da desgraça da poluição que seu descaso e ganância e “esperteza” fizeram, ainda se valem da palhaçada do racismo com a velha ferramenta podre do teo-pulhismo-parasita, para misturar à pressas, e de maneira safada e covarde as peles, como solução para agüentarmos como seres vivos o rombo que fizeram (e que muitos ajudamos a fazer com nossa carinha de ovelhas imbecis) na camada de proteção do Planeta.
    Isso é pulhice deslavada. E metem quotas aqui no Brasil nas universidades, forçam relações midiaticamente, deslustrando o ser (e a sutil diferença) de todas as raças.
    — RELANCES da gosmenta covarde desgraçeira premeditada: Chegam pras carinhas dos asquerosinhos-que-se-foda-os-outros e mandam a deles: “Tá na quota, tá cum a gente, tá arrumado, só tem qui tá pronto pra armar a baderna, tocá o terrô, na hora que a gente mandá. Depois fica por ali, não precisa fazer nada, a gente arruma uma “tinta”(grana, cargo de impostura) pra segurar a fachada; mas “num póde ratiá”, e nem dá uma de “bôca aberta”. Quem num tá cum nóis tá contra nóis. “Só na páiz”. “Samu tudo abençuado, lá em cima eis sigura”.
    ESSE XURUME PODRE TÁ ESPALHADO PRA TUDO QUANTO É LADO – fomentado e endossado pelas igrejas e seus mandantes. Quando a Sociedade percebe alguma coisa, eles recolhem todos os “mansinhos”, ou colocam um show repentino dum vendido ali, pegam os “marrentinhos” comprados e armam uma baderna a toque de caixa pra disfarçar e pressionar quem quer se opor ou gritar.
    É ASSIM que isso aí tá rastejando na Terra.
    Premeditam nossa escravidão por muitos anos, e é só isso que articulam sem parar. A Sociedade piora e piora, e tudo assinalando prejuízos em mega-escala, e os canalhas só trançam entre si a continuidade da nosso prejuízo; e mesmo com a História expondo vividamente o que fizeram com outras civilizações nós absurdamente não nos damos conta, ou nojentamente ainda nos dependuramos ufanados em favores-armadilhas armados pelos nocivos parasitas que se vestem pra nós como coisa que presta.
    E o escrúpulo se esvai, e a seiva da Sociedade se estraga da manhã à noite.
    Assim como entupiram cidades no Brasil com flagelos humanos, e deram a punhados de escroques cargos de “capatazes” com “ares” de préstimo, posicionando-os ali no nosso bairro, em associações, nas escolas, no meio dos cientistas, entre os atletas, nas empresas, afastando as pessoas entre si e colocando os cupinchas como ferpa podre entre os garotos e garotas. Assim, ao invés de sanar a pobreza (os que mais lucram dizendo que querem “acabar” com a fome são os mais safados e ladrões descarados), agora espalham a pobreza e insuflam o racismo, aviltando a natureza com o confronto das peles pelo mundo.
    Suas “reveladas” “espertezas” manobram a podridão que produzem (nossas cidades penam: o filtro colorido da TV disfarça a cruel realidade, do odor, das sensações bizarras, que sentimos ao andar pelas ruas, ao nos estarrecer com a gente enfeiada, servil, interesseira, preguiçosa, lambona, sonsa, canina, que vemos); e suas pantomimas disfarçam a frieza nociva de suas aparências “benfazejas”.
    Depois de matarem os filhos de muitos(agora descaradamente impetram o sacrifício de jovens para comover famílias), e fazerem outros muitos de viados (viados mesmo, feitos por pederastas; não confundir como homossexuais biologicamente legítimos); produziram uma geração de seres problemáticos, traumatizados, e esquisitos a vista (isto foi postado bem claro pro Gabeira, e agora ele mete lá um troço bitolado pelo manual dos embusteiros, esse aí mesmo que turba os tribunais, que figura cruzes horríveis do terror daquela escravidão que faziam em nossas cidades anteriores e dos “fogo-puro” dos simplórios recalcados e pedantes). E suas confrarias ainda fazem “doce” para admitir essas pessoas no meio podre deles. E uns infelizes (que aceitam tão generosamente) usam para manobrar “lutas” para (o ridículo disso) conseguir as “benesses” de “bênçãos” da putarias fabricadoras de viados. Uns devassos arrombados ficam sob o controle remoto dos pulhas-velhacos encastelados, controladores, feitores desse negócio que se chama por aí de “moral” e “respeito”, disseminando “ditames” e “gentilezas”, e enfiando falsidades pela goela das nações.
    E assim, com a “benção” de todos, eles podem invadir a sua casa, sua empresa, sua vida.

    Vou traçar aqui, só como exemplo, o esboço do refinamento da canalhice que engana tudo e a todos à torto e à direita.

    Que relação há entre Pitágoras e o pulha Aristóteles? Entre Lavoisier e o pulha Voltaire?

    Note os fonemas: [tá] e [tó]; e [vo] nos nomes ali nas perguntas. Nós temos na verossimilhança de sons um modo de recorrência de memória. E se queremos reportar informações sobre algo, se não tivermos escrúpulo, podemos encharcar falsamente a memória histórica com biografias forjadas de personagens escroques, em cima da biografia de outros personagens valorosos autênticos; e, forçar a recorrência pela fonética dos nomes.
    Confiram: Pitágoras é um autêntico pesquisador, o outro é um escroque do sistema (confiram sobre isso no texto: O trabalho na Meritocracia; postado na Internet). Lavoisier é um autêntico cientista, o outro é um “admirador de Rá”; infectado pela presunção do glaucoma de superioridade.
    Do mesmo modo, a coisa se enrola em “famosos” que publicam asneiras plagiadas de autênticos esclarecedores (cite-se o que fizeram à custa do Raul Seixas usando o seu “amigo”); em “crises” que escondem lavagem internacional de roubos e repasses descarados de dinheiro das nações, etc, etc, etc. E pessoas que poderiam se postar avessos a isso são desgraçados em suas funções; cite-se (e note os torcimentos midiáticos, ridículos, e lucrativos, arrumados em cima da competência deles): Senna, Tim Lopes, Marcus Menna, Renato Russo, Celso Daniel, Diana Spencer, Lennon, e uma constelação de valores que não sabemos como a Natureza vai apresentar a conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *